"Faremos promessas de nos encontrar mais vezes daquele dia em diante. Por fim, cada um vai para o seu lado para continuar a viver a sua vidinha isolada do passado...e nos perderemos no tempo... Por isso, fica aqui um pedido deste humilde amigo : não deixes que a vida passe em branco, e que pequenas adversidades sejam a causa de grandes tempestades... Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores...mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos !" - Vinicius de Moraes



sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Não faço rascunho

É isso... não gosto de fazer rascunhos. De nada ! Nem do que escrevo , nem do que estudo , nem do que leio e depois apago... Não gosto de rascunhos , acho menos , engraçado isso... Sempre achei desde que aprendi para que servem , para depois serem passados à limpo , para perdermos ainda mais tempo , para ficarmos perdendo tempo com eles , acho desnecessário perder tempo.

Entrego assim tudo mesmo , direto.


Vou escrevendo, escrevendo como se o texto já estivesse pronto em minha cabeça e apenas precisasse ser transcrito ao papel. É como se ouvisse vozes internas me ditando o tempo todo aquilo que escrevo : elas lêem e eu escrevo, simples assim.

Sou assim com as poesias também. Dificilmente escrevo uma poesia que preciso reescrever de novo , aliás esse fato de reescrever só me atrai se estiver fazendo uma revisão , uma releitura de alguém e não minha.

O que é meu pontuo diretamente , digo sem rodeios , escrevo as primeiras ideias. Por isso posso até demorar um pouco para começar a escrever , mas quando começo sei que só paro ao chegar ao final. É de uma vez só, num sopro único , num fôlego direto , de uma vez , para otimizar meu tempo que já é tão escasso.


Talvez isso de não gostar de rascunho tenha a ver com minha impulsividade. Sim, sou extremamente impulsiva e teimosa e quando digo impulsiva é de impulsos primários mesmo , os iniciais , que me direcionam a uma primeira cabeçada sem mirar muito no alvo e sem olhar direito onde vou bater... me jogo, literalmente.

Assim também sou na vida , me jogo naquilo que quero, que acredito e sigo em frente até o final. Na vida também não faço rascunhos e tudo segue a linha das primeiras tintas , das primeiras impressões . E escrevo à caneta , porque à lápis não sei , posso apagar , me dá uma gastura...à caneta é mais seguro. 

Rascunho para mim é menor e , na vida , nunca aceito coisas que acredito serem menores , quero sempre o que me é maior e me faz mais feliz do meu jeito. Sem rascunhos...

6 comentários:

Long Haired Lady disse...

nos tempos do colegio eu fazia o rascunho e nunca passava a limpo...

O Divã Dellas disse...

Arianas fazendo rascunho ou tendo cautela sobre se arremessar ou não numa situação?
ha ha ha
É ruim, hein!!!
Beijos, Van.
Cinthya
http://odivaadellas.blogspot.com

O Divã Dellas disse...

Eu faço, Van!

Quando vou passar a limpo mudo muitas coisas... Pode ser perda de tempo, mas eu faço rs

Serve pra vc reler, analisar, ponderar e mudar algo, se assim for necessario.

Com rascunhos ou não, o barato da vida é viver, né?

Então, parabéns a sua vida direita!!



Beijos, lindona!

Ótimo final de semana!

Verônica

Albuq disse...

Não sou de rascunhos, mas, faço assim, escrevo como se fosse o primeiro e vou ajustando. Entretanto, tenho a impressão que fica na mente. bjsssss

Vanessa disse...

Lindo canto.

Bjo meu!

Will Lukazi disse...

é verdade Van. Alguns escritos nos vêem como que psicografados e perderiam o encanto se tentássemos lapidá-los. Vêem em estado puro, um carvão bruto , mas que serve para aquecer e até queimar....


bj vanvan