"Faremos promessas de nos encontrar mais vezes daquele dia em diante. Por fim, cada um vai para o seu lado para continuar a viver a sua vidinha isolada do passado...e nos perderemos no tempo... Por isso, fica aqui um pedido deste humilde amigo : não deixes que a vida passe em branco, e que pequenas adversidades sejam a causa de grandes tempestades... Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores...mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos !" - Vinicius de Moraes



quinta-feira, 14 de junho de 2012

Do exercício nosso de cada dia

Sempre acreditamos que fazemos as coisas certas, as melhores coisas, que damos o nosso máximo em tudo o que apostamos. Isso na nossa mera ilusão egóica é que nos traz inúmeros problemas, porque o que pode ser em uma parte suficiente para mim, pode não ser suficiente para você, nem para ela, nem para ele, nem para ninguém. Não devemos, a verdade seja dita, pautarmos nossas decisões, resoluções e, principalmente ações baseados nas expectativas que nos satisfazem, apenas... Devemos pensar no resultado disso para um todo, para a universalidade, para algo maior.
E é aí é que está o "X" da questão, porque vivemos tendência e perigosamente situados e arrebatados pela certeza de que o mundo gira ao nosso redor, a órbita da felicidade restringe-se ao nosso microscópico e minúsculo universo e, se estamos bem e felizes com quem mais deveríamos nos importar ? Quem mais seria melhor ou mais importante do que nós mesmos e por quê eu vou me dispor a salvar o mundo ou a resolver ou ajudar a resolver os problemas das outras pessoas ? Para quê se o meu eu já conseguiu o que queria e estou bem, muito bem obrigada assim ?
Ok. Sigamos pensando assim desse modo e bem ali, a uns dois ou três milímetros de distância do nosso próprio nariz iremos dar com a cara na porta... Iremos receber em dobro ou talvez em triplo o resultado da produção magnânima que o nosso querido ego fez questão de fazer florescer... Ontem mesmo, folheando o livro "A arte de amar" de Erich Fromm, lia em algumas das páginas sobre o que ele dizia - amar a si mesmo é diferente de ser egoísta, porque o egoísta não consegue amar a si próprio, uma vez que ele nem mesmo consegue saber o que lhe faz feliz... o egoísta possui uma forma diversa de observar as coisas e até mesmo o que ele acredita amar não lhe apraz... - loucura, não ? Mas ao refletirmos nos deparamos com a mais profunda das verdades : essa triste realidade do egoísta, que vive acelerado em seu mundinho, que envolve apenas ele, suas predileções, suas verdades absolutas, suas visões tão restritas a ele mesmo e seu espelho no dia a dia. O resto ? Ele nem sabe se há "resto" porque tudo é ele...
Amar a si mesmo tem a ver com respeito, compreensão, autoconhecimento, autodesenvolvimento, busca de preenchimento interior através da própria essência (se não sabe qual é, medite até conhecê-la, só você saberá o que lhe faz bater o coração) fazendo-se enxergar o que é essa essência. Diferente de viver a marra de querer tudo para si como uma criança mimada, bater os pés no chão exigindo do universo reciprocidade, amor, paz, prosperidade riscadas à ponta de faca, tomadas pelo peito achando que se está sendo assim reativo e positivo, apenas buscando pelo que lhe é de direito. Não ! Essa não é a química do universo, essa não é a lei do amor a qualquer custo ! Não funciona dessa forma.
E o tempo que leva para a autorreforma e limpeza interna pode ser longo ou bastante curto, mas vai depender do coração. Quanto você estará disposto a doar-se, a entender-se, a enxergar-se com compaixão, respeitar suas visões e bagagens internas ? Quanto tempo você estará disposto a dedicar-se ao estudo do que transcende, do que transforma, do que está além do que os olhos enxergam ? Quanto tempo você estará disposto a mudar suas ações, em um primeiro momento consigo próprio, admitindo ser ainda tão pequeno e insignificante diante da magnitude universal e, no segundo momento sabendo que a sua energia une-se a das outras pessoas e só assim é que se pode transformar a energia maior, a energia universal ?
Quanto você está disposto a se perdoar, a se respeitar e a assumir toda a sua imperfeição e incorreção e exigir sem trégua um esforço contínuo, diário, de enxergar a vida e, principalmente, as incapacidades do outro como algo natural ? (ninguém é melhor que ninguém - profunda verdade - e podemos melhorar sempre!) Quanto tempo você estará disposto a entregar em prol do outro, abnegando seus interesses próprios ? Quanto tempo você terá disponível para trabalhar em prol dos sonhos dos outros , do melhoramento do outro, da ação desprovida de interesse qualquer que ele seja ? E também, quanto tempo você terá para enxergar-se como você é e entender que as coisas não funcionam quando exigimos, quando queremos apenas porque nosso ego acha ser o melhor e quanto tempo você disponibilizará para enxergar que aquilo que você vive hoje, a sua verdade, é diferente do que ressoa em sua essência ? Quando você vai passar a ser mais justo consigo próprio ? Amor próprio também exige honestidade, humildade e ética com seus desejos, ambições e essências próprias para que aprenda que se pode mudar todo dia, basta um movimento : querer !  #aeternaaprendiz

Um comentário:

Loh LS disse...

Volteiiii irmãaaaa!!
Vim com tudo...tudo novo hahaha

http://avidamudaeutambem.blogspot.com.br
Bjs e te espero lá