"Faremos promessas de nos encontrar mais vezes daquele dia em diante. Por fim, cada um vai para o seu lado para continuar a viver a sua vidinha isolada do passado...e nos perderemos no tempo... Por isso, fica aqui um pedido deste humilde amigo : não deixes que a vida passe em branco, e que pequenas adversidades sejam a causa de grandes tempestades... Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores...mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos !" - Vinicius de Moraes



quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

"Envelhecer é esvaziar-se de desejos"

Ultimamente temos refletido com nossos amigos sobre uma série de coisas e um assunto recorrente é a paixão e os desejos, que é mais ou menos, variando sempre a intensidade, aquilo que nos move no dia a dia.

                                   

E entre divagações e reflexões surge um apanhado de muitas ideias, discutimos, cada qual defendendo seu ponto de vista, sobre quais as razões e também as não razões para nos apaixonar e quando é a hora de desapaixonarnos daquilo que nos move temporariamente.

E ainda complementando tudo isso, ontem à noite , assistindo ao programa Saia Justa no GNT , seus apresentadores discutiam acaloradamente sobre a relevância da inteligência ou da beleza para o amor , o que pesava mais ou menos para homens e mulheres na questão do coração quando se confrontassem cérebro x corpinho malhado...acho que já discorremos sobre isso em algum post lá atrás...pois bem, e o Leo Jaime, que é um dos apresentadores dessa temporada, soltou essa pérola que se fez título do nosso post de hoje e que nos trouxe a toda essa reflexão.

                              

Ao discorrer sobre a paixão, quando iniciava ainda os nossos estudos na área de psicologia, liamos que ao nos apaixonarmos pelo outro, aquilo que nos encanta é aquilo que trazemos em nós mas que não temos a capacidade de ver e, ao vermos no outro, aquilo nos atrai de tal maneira, que nos cega, nos complementa, nos nutre justamente por ser a essência daquilo que nos habita o interior mas que não reconhecemos em nós, sublimamos e deixamos de ver.

E passamos a achar aquilo que temos dentro de nós (mas muito oculto) no outro a coisa mais linda e nos torna a nossa razão de viver, por isso esse encantamento, essa ludicidade provocada pela paixão.

Até enxergarmos tudo aquilo lindo dentro de nós leva algum tempo, ou talvez nem chegue a submergir e ficamos nos refletindo no "espelho do outro" , por isso o idealizamos, por isso o colocamos num pedestal em seu grau mais inatingível, ingenuamente sem sabermos que estamos cultuando a nós mesmos, inconscientemente. Louco isso, não ?

                                 

Isso pede que olhemos com mais profundidade para o nosso "inside" , para o lado de dentro , para descobrirmos as pérolas maravilhosas que possuimos em nós, mas que suplantamos e só acreditamos que os outros tenham...e ainda, depois de acharmos tudo isso refletido pela imagem do outro , o que fazemos ?

Devemos aproveitar toda essa energia e essa luz vinda de dentro alimentada pela paixão para nos expandirmos, para fazermos brilhar o nosso interior, colocando para fora essa luz naquilo que fazemos, na execução de nossas atividades. A paixão torna-se assim um belo combustível a impulsionar nossos movimentos.

E quanto aos desejos ? O que fazer com eles ? Ora, com esses a coisa fica diferente mas mesmo assim deverá ser direcionada, assim como a paixão...Só que o que fazemos na maioria das vezes é transferirmos os desejos para outras coisas que nos dêem prazer e aí entra outra vez a tal da autosabotagem, porque jogamos os desejos nas coisas que acabam por se tornarem compulsivas : comemos em excesso, bebemos em excesso, usamos drogas, jogamos desmedidamente, compramos e consumimos em excesso porque associamos aos desejos tudo aquilo que nos dá prazer e, quando não satisfazemos esse prazer o transferimos para outros desejos que irão, materialmente nos conceder satisfação, porém o que ficou na essência não será satisfeito quando dessa transferência.



Aí o cuidado deve ser em observar para o quê transferimos as carências e devemos buscar supri-las com atitudes saudáveis até que se esgotem os desejos, até que se suplantem as deficiências contidas , por isso o ideal seria recorrermos a dança, a pintura, a música, a atividade física, ao passeio ao ar livre, a leitura de bons livros, a poesia e porque não a criação de um Blog para discutirmos ideias e fazermos novos amigos ? Novas formas de prazer que preencham muito mais o espírito do que apenas o corpo de uma maneira material mas muito vazia.

Aí complementaríamos aqui a máxima do Leo Jaime em que diríamos que "Amadurecer é esvaziar-se de desejos" e não apenas envelhecer...mas um amadurecimento consciente que nos proporcione uma satisfação plena e duradoura. Precisamos refletir sobre isso...


7 comentários:

O Divã Dellas disse...

Van,
Muito Bom Dia!
AMEI seu pot. Gosto tanto desses assuntos. Nossa!
Amei. Muito.
Beijo e um dia cheio de LUZ!
Cinthya

Albuq disse...

Van, que reflexão!!!!

Eu preciso dessa consciência de amadurecimento, que me faça conter meus desejos e impulsos tão vivos, para amadurecer em paz! bjsssssss

CARLA STOPA disse...

Mais uma de poeta..." Cada idade tem prazer e medo..." Beijos.

Lygia disse...

Estou meio em falta... mas a correria é tanta!

Lygia disse...

estou meio em falta mas a correria é tanta. mas posso aqui sempre que da

O Divã Dellas disse...

No momento em que estamos mais vulneraveis é que tudo começa a dar errado. O excesso, a carência pesa pra ambos.
Um relacionamento exige uma linha de equilíbrio tão têneu. Tõ dificil, porem tão possivel.

Arrasou, Van!

Beijos!

Borboleta no Casulo disse...

Adorei amigaaa.
Já passei por isso de excessos. Qd meu primeiro namorado terminou cmg eu fiquei compulsiva em compras e agora qd este último namoro acabou eu quis fazer e ser diferente, fiz um blog e hj tudo é melhor, mais prezeroso e mais saudavel.
Tem selinho p vc!!
Bjs